Os indicadores de desempenho são de suma importância para qualquer empresário.

gestor pode se valer de diversas ferramentas para analisar a situação financeira de seu negócio e, assim, poder tomar as decisões gerenciais necessárias, corrigir os eventuais erros de desempenho e aproveitar as oportunidades.

Nesse sentido, os indicadores de desempenho podem ser de estrutura de capital, de rentabilidade, de atividade e também de liquidez.

Este, por sua vez, divide-se em indicador de liquidez corrente, seca, imediata e geral, a qual será objeto de nosso estudo.

Medir a liquidez é fundamental para acompanhar a condição de crédito da empresa, mas também será importante se a organização passar por um processo de sucessão empresarial.

Ficou interessado em saber como avaliar o índice de liquidez geral do seu negócio? Então continue lendo!

Os indicadores de liquidez

Os indicadores de liquidez avaliam a capacidade de a empresa quitar seus débitos à medida que vão vencendo, tendo em vista as obrigações assumidas perante seus fornecedores e funcionários. Além do índice de liquidez geral, é possível calcular, também, o índice de liquidez corrente, o índice de liquidez seca e o índice de liquidez imediata.

O índice de liquidez geral se distingue dos demais por avaliar a capacidade da empresa de honrar seus débitos no médio e longo prazo, ao passo que os demais índices indicam essa capacidade no curto prazo.

Todos esses indicadores de liquidez são obtidos a partir de cálculo com a aplicação de uma fórmula matemática, como demonstraremos a seguir. No entanto, para que o cálculo corresponda à realidade, é fundamental que os demonstrativos da empresa (balanço patrimonial, fluxo de caixa e demonstrativo de resultados) estejam bem estruturados e com a correta classificação — isso porque é a partir deles que se obtêm os dados a serem aplicados nas fórmulas.

Continue lendo para entender um pouco mais sobre cada um deles e como o cálculo é feito!

Índice de liquidez geral

Como ressaltado, o índice de liquidez geral analisa as previsões de médio e longo prazo. Por essa razão, inclui em seu cálculo dados não levados em consideração no dos demais índices, que são os direitos e obrigações além de 12 meses, como as vendas parceladas, empréstimos a vencer, aplicações com longo prazo de resgate, duplicatas a receber e IR a recuperar.

O conhecimento desse índice permite ao empreendedor avaliar se sua situação será ou não financeiramente confortável no futuro e, a partir daí, quais medidas precisará tomar, como renegociação de dívida e a liquidação de obrigações de curto prazo.

Para calcular o índice de liquidez geral da empresa, é possível aplicar a seguinte fórmula:

LG = AC + ARLP / PC + PNC

Em que:

  • LG = Liquidez Geral;

  • AC = Ativo Circulante (considera-se o período de 1 ano, valores disponíveis em contas bancárias, títulos negociáveis, estoques e assim por diante);

  • ARLP = Ativo Realizável a Longo Prazo (duplicatas a receber e aplicações financeiras de longo prazo, imposto de renda a recuperar, etc.);

  • PC = Passivo Circulante (considera-se o período de 1 ano, as contas a pagar de fornecedores; as obrigações trabalhistas e tributárias; empréstimos; financiamentos; saldos devedores bancários e outras coisas);

  • PNC = Passivo Não Circulante (considera-se um período superior a 1 ano, dívidas feitas em instituições financeiras; créditos de sócios e acionistas; obrigações tributárias e outras coisas).

Esse apontador revela o nível de liquidez a longo prazo, mas não a curto. Ainda assim, não são considerados todos os ativos, porque há itens no ativo que não são convertidos em dinheiro — ou não são facilmente convertidos, mesmo a longo prazo, como investimentos, o ativo imobilizado e o intangível (que constituem o ativo permanente).

A empresa poderá vender seus ativos de longo prazo para transformá-los em dinheiro e saldar suas dívidas atuais, se houver necessidade. O procedimento, porém, não faz parte das operações comuns da empresa e, por isso, eles não integram o ativo permanente.

Demais índices de liquidez

Como apontado anteriormente, os demais índices de liquidez indicam a capacidade da empresa em cumprir com suas obrigações no curto prazo. São eles:

Índice de liquidez corrente

O índice de liquidez corrente ou comum é o que melhor expressa a capacidade de o empreendimento cumprir com suas obrigações no curto prazo. É um dos indicadores mais conhecidos para se analisar a capacidade de pagamento da empresa e representa a saúde do caixa no momento atual.

Como sua análise é de curto prazo, em seu cálculo somente são considerados os ativos e os passivos circulantes de curto prazo, assim entendido aqueles menores de 01 ano. Para realizar o seu cálculo a seguinte fórmula é aplicada:

LC = AC / PC

Em que:

  • LC = liquidez corrente;

  • AC = ativo circulante (direitos a receber no curto prazo, como dinheiro em caixa e estoque);

  • PC = passivo circulante (obrigações a serem quitadas no curto prazo, como empréstimos, pagamentos a fornecedores e impostos).

Índice de liquidez seca

O índice de liquidez seca é similar ao índice de liquidez corrente, mas dele se distingue por não considerar em seu ativo circulante o estoque da companhia. Esse índice, portanto, representa o valor disponível para quitar as obrigações, ainda que nada seja vendido até a data de vencimento.

Como a diferença para o índice corrente é a subtração do estoque na análise de seu ativo circulante, seu valor deve ser igual ou menor do que o índice de liquidez corrente. Além disso, é um índice com pouca aplicabilidade para os empreendimentos que não trabalham com estoque, como prestação de serviço e market place.

Para o seu cálculo, considere a seguinte fórmula:

LS = (AC – E) / PC

Em que:

  • LS = índice de liquidez seca;

  • AC = ativo circulante;

  • E = estoque;

  • PC = passivo circulante.

Índice de liquidez imediata

Considerado o mais conservador dos índices, o índice de liquidez imediata considera apenas os valores que a empresa tem à disposição imediatamente, como valor em caixa, em conta corrente, em investimentos de curto prazo e aplicações com resgate em até 90 dias. Excluem-se, portanto, estoques, direitos decorrentes de vendas a prazo e quaisquer valores a receber.

Logo, reflete a capacidade da companhia de saldar seus pagamentos no curtíssimo prazo e apenas com os valores que já são dinheiro e com o que pode ser convertido em dinheiro fácil e rapidamente.

Todavia, ter um índice alto não significa necessariamente um bom controle das contas. Além disso, é o que mais está sujeito a variações, já que esse ativo é mais facilmente movimentado.

Para o seu cálculo, basta aplicar a seguinte fórmula:

LI = D / PC

Em que:

  • LI = índice de liquidez imediata;

  • D = valores disponíveis;

  • PC = passivo circulante;

Como analisar os índices de liquidez

Cada um dos indicadores revela informações empresariais distintas para momentos distintos. Em razão disso, o ideal é que sejam aplicados os quatro índices simultaneamente e de forma comparativa, a fim de analisar a situação da empresa no curto e no longo prazo.

Em regra, a leitura dos índices é feita da seguinte maneira:

  • índice de liquidez > 1: bom grau de liquidez;

  • índice de liquidez = 1: recursos se igualam às obrigações;

  • índice de liquidez < 1: a empresa não tem recursos suficientes para honrar suas obrigações.

Os índices, no entanto, não devem ser considerados isoladamente, uma vez que é preciso considerar outros fatores, como o ramo de atividade do empreendimento e a qualidade do ativo. Não basta ter muitas duplicatas a receber, é preciso que os clientes sejam bons pagadores.

Um índice de liquidez muito elevado também pode ser prejudicial ao empreendimento, na medida em que poderia indicar a sua dificuldade em aplicar os recursos disponíveis em suas atividades operacionais, o que poderia melhorar a rentabilidade do negócio no médio e longo prazo.

Comparando o índice de liquidez geral com os demais índices e os dados considerados em seu cálculo, é possível perceber que a probabilidade maior é de que sejam proporcionais.

Todavia, o índice geral engloba dados estranhos aos demais índices, como o ativo realizável a longo prazo e o passivo não circulante, razão pela qual não é necessariamente possível traçar uma relação direta entre eles.

O ideal, portanto, é realizar o cálculo de todos os índices, uma vez que apontam resultados para momentos distintos da vida da empresa.

A importância do índice de liquidez geral para os investidores

Os índices de liquidez podem oferecer um quadro da saúde financeira da empresa, o que é muito importante para os investidores. Quando se interessa por investir dinheiro ou outra forma de recursos em uma organização, o investidor considera diferentes critérios, sendo a liquidez um dos mais importantes. O índice de liquidez mostra a capacidade que a empresa tem de gerar renda na medida em que revela sua capacidade de saldar dívidas a curto e longo prazo.

Um desses índices é exatamente o de liquidez geral. Afinal, deve-se levar em conta se a companhia apresenta condições de arcar com suas obrigações em longo prazo, pois ela pode ter um bom índice de liquidez no momento atual, mas estar totalmente comprometida com dívidas no futuro — e isso pode ser bastante prejudicial à sua imagem!

Nessa análise, os investidores consideram não apenas o índice de liquidez geral, mas também os outros índices de liquidez. Por essa razão é que todos devem ser calculados e constantemente acompanhados para avaliar a capacidade da empresa de cumprir seus compromissos.

Dessa forma, o índice de liquidez geral, embora ofereça respostas distintas dos demais, merece ser calculado e analisado em conjunto com todos os outros.

Quer aprender ainda mais sobre gestão empresarial? Então aproveite e assine nossa newsletter agora mesmo