Não é raro que algumas relações familiares se estendam para a espera profissional, como nos casos em que chefes e funcionários acabam pertencendo à mesma família. Porém, nem sempre as empresas familiares conseguem lidar bem com esse tipo de situação no dia a dia, o que pode resultar em conflitos e problemas como confusão patrimonial, falta de profissionalização da gestão e falta de planejamento para o processo sucessório.

Nesses casos, é comum que a convivência entre família, patrimônio e negócios no mesmo ambiente de trabalho ocorra com certo embate de objetivos diferentes. De um lado, o fundador da família, que ainda mantém a mesma gestão desde a origem e entende esse modelo como o ideal para os negócios; de outro, os filhos, com ideias inovadoras, que estão iniciando na empresa da família querendo mudar a forma de pensar e agir dos pais, tios ou avós.

Pensando nisso, neste post elaboramos algumas dicas de como resolver conflitos em empresas familiares, gerando mais riqueza e oportunidades para os negócios da família. Acompanhe!

Entenda as diferenças entre as gerações

O conflito de gerações é um dos problemas mais frequentes em empresas que mantêm negócios familiares. Além disso, quando chefes e funcionários já convivem com conflitos nas relações familiares, tais ações acabam interferindo no relacionamento dentro da própria empresa.

Por isso, um ambiente corporativo harmônico e produtivo é sempre resultado de um bom convívio dentro e fora da empresa. A maturidade e qualificação profissional devem ser sempre buscados nos negócios familiares, de forma que conflitos entre um jovem empreendedor e os conceitos tradicionais de quem sempre esteve à frente da empresa sejam minimizados.

Desenvolva um plano sucessório

O planejamento da sucessão das empresas para dar continuidade aos negócios da família é um fator determinante para o sucesso da organização. É fundamental que os sucessores estejam capacitados a assumir as necessidades de desenvolvimento da empresa quando necessário, e consigam dar continuidade aos negócios da família.

É no desenvolvimento de um plano sucessório que o empreendedor pode reconhecer se os candidatos à sucessão têm os mesmos objetivos da empresa e se estarão preparados para administrar os negócios da família — ou o sucessor oferece aos negócios da família uma nova percepção ou pode leva-los à falência por falta de profissionalismo.

A sucessão deve ser muito bem planejada, o que exige muito preparo e esforço, tanto da primeira quanto da segunda geração. Além disso, o sucessor deve ser inserido nos negócios da empresa desde cedo, para que possa estar preparado para o momento em que terá que assumir o comando. É indispensável também que haja um bom planejamento sucessório e que se defina o papel e as condições de cada sucessor para que eles desempenhem as atividades no futuro.

Não envolva os funcionários em questões familiares

O ambiente de trabalho deve ser estritamente profissional, sem jamais envolver os funcionários em questões e conflitos familiares. Muitos confrontos dentro de empresas são gerados justamente por não se separar o ambiente familiar dos negócios, o que interfere no desempenho dos colaboradores e cria um clima desmotivador para o desempenho das atividades.

Por isso, a neutralidade dentro do ambiente de trabalho deve ser mantida, e conflitos familiares devem ser resolvidos diretamente entre os envolvidos — jamais reportados aos demais colaboradores.

Profissionalize a gestão

A gestão profissionalizada é chave para o sucesso de uma empresa familiar. A profissionalização é uma tendência, e o mercado tem exigido cada vez mais profissionais capacitados. A contratação de um profissional com um bom alicerce de gestão pode ajudar a empresa familiar a lidar com os negócios, principalmente quando não há um planejamento de sucessão definido.

O perfil e mentalidade de empreendedores que ainda permanecem no tradicionalismo deve ser remanejado para as novas necessidades de mercado, o que exige não só do profissional contratado, mas também profissionalizando toda a família que permanece na gestão da empresa.

Nesses casos, é essencial definir muito bem o papel do profissional contratado dentro da empresa, pois a família continuará participando indiretamente da gestão dos negócios, evitando problemas de administração que possam comprometer o desempenho das atividades.

E então, nosso post foi útil? Ficou ainda com alguma dúvida? Compartilhe conosco sua opinião nos campos abaixo!