Não só pela proximidade entre as pessoas, as empresas familiares possuem algumas particularidades que as diferenciam das demais organizações. A gestão, por exemplo, é um aspecto que, muitas vezes, vai na direção oposta.

Mas enganam-se aqueles que pensam que esse aspecto é prejudicial ao desenvolvimento do negócio, afinal com dedicação e um pouquinho de jogo de cintura, a gestão de empresas familiares pode apresentar benefícios significativos.

Interessou-se pelo assunto e quer se inteirar melhor sobre as particularidades da gestão de empresas familiares? Então, continue acompanhando!

Administração centralizada

Fato é que parcela significativa das organizações familiares possuem um sistema de gestão centralizado, isto é, a tomada de decisões e ações parte do alto escalão. O ponto positivo desse aspecto é que em situações emergenciais é fácil contactar os gerentes e proprietários e achar rapidamente uma resolução.

Em contrapartida, a administração centrada — se não organizada cuidadosamente — pode gerar certa lentidão nos processos organizacionais, já que existe um número reduzido de responsáveis que precisam analisar todos os procedimentos para depois emitir um parecer e, claro, realizar a medida que julgar necessária.

Organização interna leal e confiável

É relativamente normal existir alta rotatividade de colaboradores em instituições tradicionais, o que não é tão habitual nas empresas familiares, uma vez que os gestores criam laços reais com a equipe, tornando-a leal à organização. Essa característica facilita todo o processo da gestão da empresa, que pode contar efetivamente com a equipe em situações caóticas.

Em organizações desse estilo, a confiança é a base do relacionamento entre gestores e funcionários, que construíram ao longo do tempo uma relação de respeito e admiração mútua.

Falta de investimento em especializações

Ter um negócio próprio pode desestimular o proprietário a buscar cursos profissionalizantes. Não é raro, por exemplo, os casos de pessoas que finalizaram o ensino superior, cursaram um MBA e depois simplesmente pararam no tempo, achando que o conhecimento será útil para gerenciar a empresa por toda a vida.

Contudo, esse pensamento é totalmente equivocado, pois a cada dia surgem mais novidades no setor e para não ficar para trás é preciso se atualizar constantemente. Portanto, lembre-se da máxima que diz que conhecimento nunca é demais e comece já analisar a hipótese de investir em outros cursos de capacitação.

Vale lembrar que proporcionar oportunidades de profissionalização para o quadro de efetivos da empresa também é uma ação recomendada.

Dificuldade em separar sentimentos

Razão x emocional: esse é um dos principais embates em empresas familiares, afinal como ser totalmente imparcial e racional quando se têm entes queridos envolvidos no assunto?

Por isso, a gestão nesse tipo de corporação precisa de atenção redobrada, pois, às vezes, será necessário contrariar o coração e seguir a cabeça, por mais que tal atitude faça-o viver em uma gangorra sentimental.

Expectativa de lucro a longo prazo

Ao contrário de multinacionais que esperam que o lucro apareça em um prazo relativamente curto, as empresas familiares sabem que podem demorar um tempo maior para conseguir o retorno do investimento. A expectativa dos gestores, nesse contexto, é deixar um patrimônio sólido para que as outras gerações desfrutem dos resultados.

As peculiaridades da gestão de empresas familiares tornam o negócio uma experiência única, pautada sobretudo na vontade de crescer junto às pessoas queridas. Mas para obter sucesso nessa missão não basta confiar apenas no instinto, pelo contrário: é necessário muito conhecimento, dedicação e, claro, manter o foco no planejamento empresarial.

Agora é sua vez. O conteúdo esclareceu suas dúvidas sobre a gestão de empresas familiares? Deixe um comentário!