Você já parou para pensar que a administração da sua empresa poderia ser mais bem organizada, objetiva e seus lucros poderiam ser maiores? Já pensou em como definir melhor os processos, implementar controles e melhorar o seu clima organizacional?

Se você já teve estas e outras dúvidas que fazem parte do ambiente empresarial, então já pensou sobre governança corporativa e em todos os benefícios que ela pode trazer para o seu negócio. Neste post, você vai entender mais sobre a governança corporativa, como implementá-la, quais os seus benefícios e os cuidados que deverá ter em sua companhia.

Entenda o que é a governança corporativa

Inicialmente, para que possa implementar a governança com sucesso em sua empresa, é preciso que você compreenda como ela funciona. Pode-se defini-la como um sistema ou conjunto de ideias, ferramentas e mecanismos de controle que permitem que uma organização seja monitorada e incentivada.

Para isso, a governança corporativa desenvolve formas para o melhor relacionamento entre os sócios, o conselho de administração e o fiscal, além de órgãos fiscalizadores, acionistas (se for o caso) e outros elementos que fazem parte do ambiente empresarial.

As chamadas boas práticas de governança corporativa estão pautadas em normas e princípios que permitem que sejam feitas recomendações, levando a um alinhamento entre os interesses tanto de donos e administradores quanto de sócios majoritários e minoritários.

Aliás, a governança corporativa foi criada justamente para a resolução dos possíveis conflitos entre esses atores, visando coibir a assimetria de informação e problemas gerados quando os interesses de sócios e acionistas são diferentes daqueles de administradores ou acionistas que detêm ações com votos.

A chamada teoria da agência é a possibilidade de conflito decorrente da diferenciação entre quem possui a propriedade e quem administra a empresa, ou ainda entre aqueles acionistas que possuem e os que não possuem direito a voto.

Assim, a governança corporativa visa ao alinhamento de interesses entre esses envolvidos, preservando e otimizando o valor econômico das organizações, permitindo maior facilidade em sua busca por capitais a juros mais baixos e com condições facilitadas e melhorando a qualidade das informações, controles e da forma como esta organização aparece para o público em geral.

Objetivos e ferramentas da governança corporativa

Como é perceptível, a governança corporativa possui um aspecto normativo e de controle bastante forte, e este é necessário, muitas vezes, por colocar a companhia nos trilhos, ou seja, identificar seu objetivo, suas metas e interesses, alinhar estes aos recursos disponíveis e também em relação aos interesses de todos os envolvidos com a organização. Mas como a ela se desenvolve no ambiente empresarial?

A governança corporativa está pautada em um ideal de transparência, isto é, de mostrar o que está acontecendo e porque essas atividades ocorrem. Além disso, com esta visão de transparência, ela ainda busca um reconhecimento da responsabilidade de cada indivíduo em relação ao que está acontecendo na organização. Esta responsabilização é feita mediante a busca pela transparência e com o uso da chamada accountability, que pode ser definida como a prestação de contas pelos recursos utilizados.

Na accountability, além da transparência e responsabilização dos indivíduos pelo uso dos recursos, outra característica marcante é a efetividade e a eficiência do uso dos recursos. Assim, de nada adianta utilizar recursos e cumprir tarefas se estas não estiverem de acordo com os menores custos e com a manutenção dos padrões de qualidade.

Como implementar a governança em sua empresa

Contando, preferencialmente, com a utilização de serviços especializados e focados em soluções de governança corporativa, é preciso conhecer o ambiente de sua empresa e como ela atua. Com base nesta primeira análise, serão definidos e conhecidos a missão, os valores, os objetivos e os recursos a serem utilizados para alcançá-los.

Uma das primeiras ações a serem implementadas no uso da governança corporativa em uma empresa é atribuir responsabilidades ou defini-las de maneira mais clara e objetiva.

Isto acontece porque, em algumas organizações, existem processos numerosos e pouca responsabilização pela realização das tarefas. Assim, na hora de executar determinada ação e ser cobrado por ela, o colaborador fica sem saber a quem responder, o que pode impossibilitar que sejam atingidos certos objetivos.

No quesito hierarquia, a governança corporativa pode auxiliar na responsabilização dos cargos de gerência e permite implementar controles que coíbam eventuais falhas e desvios. Ela pode, ainda, auxiliar no estabelecimento de um rodízio para cargos de diretoria, o que consiste em mais um mecanismo de controle e transparência.

As reuniões de acompanhamento devem ser periódicas e ocorrer entre os sócios e os conselhos que forem implementados. Nestas reuniões, serão acompanhadas, de forma detalhada, as diretrizes estabelecidas e como os planos de ações estão atendendo a elas. Estas reuniões servem para verificar a efetividade do que foi planejado e a eficiência do que está realmente acontecendo.

Conselhos

Independentemente do tipo societário, a formação de um conselho de administração é essencial para aquelas corporações que querem usufruir de todos os benefícios da governança corporativa. No caso das Sociedades Anônimas, a constituição desse conselho é uma obrigação legal. No entanto, mesmo que sua empresa não se enquadre nesse quadro, é importante pensar nesta situação.

O conselho de administração é o órgão responsável por melhorar a qualidade das decisões estratégicas, já que ele as valida e contribui como mais um elemento na mitigação dos problemas oriundos do conflito de agência. Mas, de que forma esse órgão pode fazer isso?

Aqui entra novamente um importante conceito da governança corporativa: entender a separação que existe entre a propriedade e a gestão de uma organização. Assim, os sócios, acionistas ou mantenedores de um negócio são denominados principais, e são os responsáveis por fornecer à companhia recursos que serão utilizados em sua gestão, pelos administradores que são denominados agentes.

Esses agentes nem sempre fazem questão de alcançar objetivos de longo prazo, já que seu maior foco é no lucro e nos possíveis pagamentos oriundos destes e que são utilizados como remuneração para executivos.

Em sociedades anônimas, este conflito também ocorre entre acionistas minoritários e majoritários que, por vezes, têm ideias diferentes para o negócio. Nesse contexto, implementação e ação de conselhos é essencial para alinhar e satisfazer ao interesse de todos envolvidos.

Os conselheiros deverão acompanhar, estimular, aprovar e coordenar as ações dos administradores, controlando possíveis riscos e buscando sempre manter os princípios, valores, padrões e missão da organização.

Um bom conselho de administração deve ter independência em relação aos executivos da instituição e deve atuar de maneira preventiva e corretiva, indicando o caminho a ser tomado quando possíveis problemas acontecerem.

Existem também os chamados conselhos consultivos, que podem ser implementados em empresas que estão em fase ainda embrionária de governança corporativa. Mesmo que este órgão não tenha poder formal de decisões, ele ainda pode ser essencial para aquelas organizações que pretendem implantar a governança. Os membros deste conselho devem ter experiência e habilidades técnicas na área para poderem atuar como verdadeiros conselheiros, auxiliando a companhia a alcançar seus objetivos.

Existe, ainda, nas Sociedades Anônimas, a figura do conselho fiscal, que é responsável por prestar contas aos acionistas, fiscalizar atos da diretoria executiva e do conselho de administração e oferecer uma opinião técnica sobre as demonstrações contábeis, as quais deverão ser verificadas por auditor externo.

Vantagens da governança corporativa

Quando corretamente implementada e utilizada, a governança corporativa pode trazer inúmeras vantagens para as empresas. Além de ajudar na mitigação de conflitos entre agente e principal, permite também evitar erros e falhas estratégicas que podem ser resultantes de imperícia ou de alta concentração do poder nas mãos de alguns executivos da organização.

As fraudes, bastante comuns em ambientes empresariais, podem ser diminuídas e evitadas com a implementação de controles internos rígidos, manuais e outras formas de fiscalização. Além destas vantagens, a companhia pode ter a sua imagem melhorada, de forma substancial, junto a possíveis investidores, clientes e fornecedores.

Grandes corporações, com forte presença da governança corporativa, aliadas a um bom clima organizacional, tendem a ser mais bem vistas por seus colaboradores, o que garante maior engajamento e melhor retenção de talentos, algo essencial para a manutenção do nível de atividade da organização.

Algumas instituições financeiras também podem oferecer melhores prazos e taxas para empréstimos e financiamentos para aquelas instituições com fortes controles e princípios de governança. Em caso de negociação em bolsa, ainda é necessário aderir a certos princípios e exigências da governança corporativa.

Neste post, você entendeu o que é a governança corporativa e que, para sua implementação, deve contar, preferencialmente, com o auxílio de consultorias especializadas as quais ajudarão a definir de forma objetiva sua missão, objetivos e recursos, além de metas que devem ser alcançadas.

Viu que órgãos como o conselho administrativo e consultivo devem fazer parte deste processo e que a transparência, a responsabilização e a accountability – ou prestação de contas – fazem parte deste ambiente.

Por fim, compreendeu os benefícios da governança corporativa, melhorando não somente aspectos internos, mas a imagem de sua companhia junto a todos os elementos que fazem parte de sua rotina.

E aí, quer saber mais sobre outros aspectos da governança e o que ela pode trazer para a sua empresa? Baixe nosso ebook e entenda.