Seja em uma pequena ou grande empresa, se você quiser implementar uma boa política de crédito, é imprescindível saber o que é o risco de crédito. A verificação creditícia de clientes em potencial, feita de maneira atenta e criteriosa, evita que a empresa se torne credora, por longo tempo, de pessoas inadimplentes ou insolventes.

Você já tem familiaridade com esse assunto? Continue lendo o texto para entender o que é o risco de crédito e como ele interfere no desempenho da sua empresa!

Entenda o risco de crédito

Toda empresa que pretende conceder crédito na verdade está travando um acordo com seu cliente. Isso porque é cedido para ele determinado serviço ou produto, com a promessa de que o valor seja quitado futuramente. Assim, o risco de crédito se trata justamente do perigo de que o que fora acertado entre as partes não seja cumprido.

O valor em questão pode não ter sido pago por diversos fatores, alheios à boa-fé de quem se encontra como devedor, mas também fica a cargo da empresa fazer uma boa política de cobranças para reaver a quantia devida.

Saiba como avaliá-lo

melhor forma de saber qual é o risco de crédito atrelado a determinado cliente é fazendo uma avaliação detalhada sobre a sua situação e histórico.

Avalie a situação do cliente e da própria empresa

Deve-se levar em conta não apenas a conjuntura financeira atual do contratante, mas ainda qual é o tipo de crédito oferecido, e como ele afetará a boa gestão financeira da empresa — caso não seja pago.

Analise os históricos de pagamento dos clientes

Muitas vezes, empresas baseiam seu risco de crédito apenas na confiança que tem em um cliente. No entanto, essa atitude nem sempre é a mais correta. Mesmo que os históricos de pontualidade de pagamento dos consumidores sejam muito relevantes, outras medidas têm que ser levadas em conta antes da concessão de crédito.

Isso porque, apesar de já ter um relacionamento estabelecido com a empresa, sem que se faça uma avaliação creditícia apropriada, pode-se ter problemas com tais clientes. Além do histórico do cliente, peça também comprovantes de renda e de moradia, por exemplo.

Solicite garantias de pagamento em alguns casos

Também é possível requerer garantias de pagamento em algumas conjunturas, como venda de imóveis ou automóveis. Outra boa dica é fazer uma avaliação da situação do mercado, uma vez que ela pode interferir no pagamento efetivo da dívida no novo cenário.

A compra a prazo, em muitas ocasiões, é tentadora para o consumidor. Uma vez que pode comprar mais e pagar depois, é fácil que ele extrapole os próprios limites. Mesmo aqueles clientes que oferecem bons históricos não estão imunes à atitude de precaução e análise da empresa — o que trará consequências mais positivas para o faturamento e controle do seu empreendimento.

Conte com o auxílio de um analista de crédito

A cada dia, mais empresas contam com o serviço de analistas de crédito. Os profissionais atuam como “vendedores” de crédito. Ou seja, eles fazem a análise dos clientes para saber quais estão aptos a receber a concessão ou não, além de sugerir qual será o tipo de crédito a compor.

Saber exatamente quais são os clientes que vão pagar ou não as suas dívidas é uma tarefa impossível de ser preenchida. No entanto, existem alguns sinais que evidenciam qual seria a predisposição daquela pessoa — seja física ou jurídica.

O analista de crédito, por sua vez, é alguém especializado nessa triagem de clientes. Dessa forma, os resultados de sua consultoria tornam a operação mais segura.

Lembre-se sempre que a inadimplência não pode ser evitada completamente, mas existem várias formas de torná-la mais difícil de acontecer. Assim, o controle do risco de crédito de cada cliente é fundamental nesse objetivo. Confira mais um de nossos posts e entenda como tal precaução poderá salvar a sua empresa!