Empresas de sucesso têm como característica comum o fato de reconhecerem a importância do planejamento e gestão empresarial. Planejar significa determinar antecipadamente objetivos a serem alcançados e as atividades a serem executadas. As empresas elaboram planos para determinado período de tempo e esses planos orientam suas ações em busca dos resultados que permitem e justificam sua existência.

Todo gestor sabe, no entanto, que é difícil manter o foco naquilo que foi planejado, diante das inúmeras atribuições que fazem parte de seu cotidiano. Por esse motivo, reunimos, a seguir, quatro dicas que, ao serem seguidas, garantirão a manutenção do foco do planejamento e gestão empresarial. Preparado? Então continue acompanhando!

1. Tenha um plano

O ponto base para o sucesso de um projeto é a determinação detalhada de quais são seus objetivos, a curto, médio e longo prazo. O primeiro passo é planejar, começando pela definição dos objetivos e resultados esperados. Qual é a projeção de crescimento das vendas para esse ano? Qual o percentual do mercado a ser atingido?

Em seguida, estabeleça um cronograma de execução, no qual conste prazos e pessoas envolvidas em cada tarefa. Estipule momentos periódicos para avaliação, nos quais será possível acompanhar a execução do plano e identificar eventuais necessidades de ajustes.

2. Conheça a sua empresa

Para que o seu plano possa ser materializado, é primordial que sua empresa seja minuciosamente avaliada, bem como a percepção interna e externa que ela transmite. Faça pesquisas de mercado e distribua questionários de satisfação entre clientes e funcionários e esteja aberto para sugestões e críticas. É essencial que todos os pontos fracos e fortes sejam detectados.

Para tanto, uma estratégia muito utilizada é a análise SWOT, acrônimo para strengths, weaknesses, opportunities, e threats. Ou, em português, a chamada análise FOFA: forças, fraquezas, oportunidades e ameaças. Tal ferramenta funciona como uma estratégia de avaliação e gestão empresarial, uma espécie de raio X que avalia fatores externos e internos que influenciam a realidade do empreendimento para, então, otimizar os resultados globais no mercado alvo. Entenda melhor as fases da matriz SWOT:

Forças

Envolve os diferenciais competitivos da organização, detectando como o seu negócio se destaca entre a concorrência para, de tal modo, potencializar cada uma delas. Alguns aspectos geralmente observados nessa primeira etapa da análise são os seguintes:

  • Quais são os melhores recursos e produtos da empresa?

  • Em quais setores há um maior retorno sobre o investimento (ROI)?

  • Quais são os elogios mais recorrentes entre o público-alvo?

Fraquezas

Essa segunda etapa da análise tem como objetivo identificar quais são os fatores e lacunas que comprometem a rentabilidade do negócio. Para que essa fase seja plenamente desenvolvida, é indispensável que todos os colaboradores sejam cirúrgicos e sinceros em suas avaliações. Veja quais são os principais fatores visados na fase de identificação de fraquezas da matriz SWOT:

  • Os funcionários e líderes da empresa são realmente capacitados?

  • Eles conhecem bem a empresa?

  • O treinamento está deixando de abarcar algum ponto que é geralmente motivo de queixa?

  • Por que os produtos ou serviços da empresa não são os favoritos dos consumidores?

Ameaças

Na fase de identificação das ameaças que inferem sobre o negócio, o que é avaliado são os agentes e forças externas que impedem ou freiam o sucesso da empresa. Nesse ponto, mais uma vez são as pesquisas de mercado as maiores aliadas dos gestores. Confira alguns exemplos de ameaças que podem interferir nos seus resultados:

 

  • A concorrência direta tem um histórico de tradição na preferência do público?

  • Entre as vantagens ou desvantagens competitivas do negócio, alguma é resultado de agentes como localização geográfica ou acesso a bens e insumos?

  • Antigos clientes desaconselham o seu negócio entre o público?

Oportunidades

Enquanto em ameaças a análise SWOT observa como o externo prejudica o empreendimento, em oportunidades ela aponta as maneiras como o externo auxilia a empresa, independente de seus esforços. Essa fase é de extrema importância pois, uma vez detectadas as oportunidades do negócio, elas poderão ser melhor exploradas e, consequentemente, melhorar os resultados da sua gestão empresarial — ainda que sejam forças alheias e incontroláveis. Veja algumas possibilidades de oportunidades:

  • O cenário econômico do país está favorecendo o consumo dos produtos que seu negócio oferece?

  • Alguma moda ou tendência tem trazido novos clientes?

  • A empresa recebeu algum investimento externo recentemente?

A matriz SWOT tem como objetivo primário o trabalho conjunto de diferentes elementos que interferem no comportamento e resultados do negócio. O diagnóstico obtido ao fim de uma análise serve como um excelente recurso para integração das necessidades de uma gestão estratégica às potencialidades do empreendimento. Dentre os muitos fins desta ferramenta, destaca-se seu grande valor para a tomada de decisões, uma vez que esta consegue ampliar os aspectos fortes da empresa e, ao mesmo tempo, minimizar os fracos.

3. Tenha um orçamento

Agora que você tem claro o que se espera, é hora de mobilizar todos os recursos da empresa para o atingimento dos objetivos. Planeje e estime os gastos, as despesas decorrentes de cada atividade e necessidade de investimentos que a empresa terá durante o ano. Identifique as fontes de recursos e faça uma previsão das receitas. Para isso, faça um orçamento no qual constem fatores como: projeção de vendas, deduções de vendas e despesas variáveis — como fretes e comissões —, custos da produção, incluindo mão de obra, despesas operacionais, investimentos etc.

Além disso, imprevistos quase sempre são uma certeza, portanto é importante que parte do orçamento também seja reservada para garantir a fluidez do projeto em casos de surgimento de despesas inesperadas. E lembre-se de acompanhar a execução e a boa utilização do orçamento.

4. Conheça o seu público

Para além de uma máxima dos renascentistas, a frase “conhecer para dominar” se aplica perfeitamente para a realidade empresarial. Isso ocorre pois, inegavelmente, a melhor — e muitas vezes a única — forma de conquistar e dominar um público ou mercado é conhecendo seus desejos, hábitos e tendências. Portanto, se você deseja dominar um nicho de mercado, especialize-se nele.

O marketing digital surge, nesse cenário, como um parceiro praticamente obrigatório para empresas que buscam o crescimento constante. Por meio dele você será capaz de obter métricas e pareceres acerca das ações online realizadas pelos seus clientes e por aqueles que você busca atingir.

Google Analytics, Google Think Insides, Google Consumer Survey, Quora, Mechanical Turk, Google Webmaster Tools, Google Trends, Consumer Barometer, além, é claro, dos próprios questionários realizados pela sua empresa entre funcionários e clientes — as ferramentas são incontáveis, por isso, não deixe de utilizá-las a seu favor. Lembre-se que se você não o fizer, o seu concorrente o fará. O ideal é que você conte com uma consultoria especializada que estará apta a lhe orientar detalhadamente nesses aspectos.

5. Elabore um roteiro

Elabore um roadmap — também chamado de roteiro — das prioridades de cada momento do ano. Isso facilita a criação de cronogramas e orienta o trabalho das equipes. Um roadmap é uma ferramenta visual e descritiva, facilitando a rápida compreensão dos processos. As vendas, por exemplo, constituem uma atividade estratégica para a empresa, não é verdade? Mas, ao mesmo tempo não constituem uma atividade isolada. Por isso mesmo, o plano de vendas deve ser elaborado de modo a organizar todas as etapas que são pertinentes a essa atividade e integrá-la aos demais setores da empresa.

Um roadmap é uma tradução instrutiva do plano de vendas e deve conter as estratégias de vendas ao longo do ano: quais produtos serão priorizados a cada mês? Quais estratégias de promoção serão utilizadas em cada período? Esse é só um exemplo de utilização de roadmap. Essa ferramenta não se restringe ao setor de vendas, mas deve contemplar todas as áreas da empresa.

6. Conte com uma consultoria especializada

Como dito anteriormente, uma consultoria especializada é essencial para uma melhor aplicação de recursos e tomada de decisões mais acertadas. Consultores especializados têm o conhecimento e as ferramentas necessárias para auxiliar sua empresa em todas as etapas, desde o planejamento até a avaliação dos resultados e ajustes.

Além disso, a consultoria especializada poderá ajudá-lo com questões como análise de riscos, análise financeira, elaboração e análise de relatórios de indicadores financeiros, avaliação qualitativa e muito mais. Lembre-se que, na maior parte dos casos, gastos, quando realizados com inteligência, são investimentos, não despesas. Por isso, nada de ficar fazendo economias que, no final das contas, só retardaram o sucesso da sua empresa. Combinado?

7. Valorize a imprensa e as reclamações online

Hoje em dia o acesso à informação está cada vez mais fácil. Logo, é altamente provável que, antes de fechar negócio com a sua empresa, o cliente faça uma pesquisa sobre a sua reputação nas redes sociais e veículos de comunicação. Portanto, monitore constantemente os comentários e matérias publicadas e responda a todos, mesmo (e principalmente) os mais grosseiros. Uma boa percepção de mercado é fundamental para a prosperidade empresarial.

Um bom planejamento é importante para que sua empresa seja eficaz e competitiva. Mas o que garantirá que isso se torne realidade é a sua capacidade de manter o foco do planejamento durante todo o ano. E isso só será possível, com o acompanhamento constante e uso das estratégias corretas. Dessa maneira, sua gestão empresarial será um verdadeiro sucesso e sua empresa estará muito mais próxima de conquistar o mercado.

Agora, se você tem dúvidas ou está passando por um processo de sucessão na sua empresa, não pode deixar de conferir as dicas do nosso ebook: “5 principais erros cometidos na sucessão empresarial”.

Gostou das nossas dicas sobre como manter o foco do planejamento e gestão empresarial? Tem mais alguma dica sobre o assunto? Deixe seu comentário, pergunta ou impressão nos comentários!