O mundo dos negócios está em constante evolução, o que inevitavelmente exige de gestores e empresários uma adequação aos novos cenários de mercado para atender às necessidades dos consumidores e conquistar vantagem competitiva.

Como forma de se manter atuante no setor empresarial, muitas organizações passam por inúmeras transformações, sendo uma delas a fusão de empresas.

Você deve estar se perguntando se o processo de fusão é o tipo de acordo que envolve apenas companhias bilionárias. No entanto, é cada vez mais comum pequenos e médios negócios unirem forças para diversificar investimentos, melhorar o acesso a investimentos ou até mesmo arrecadar know-how que outra empresa detém.

O fato é que a fusão de empresas é uma solução interessante para enfrentar as transformações do mercado, independentemente do tamanho de seu empreendimento.

No post de hoje, vamos apresentar o que é a fusão de empresas e quais critérios devem ser levados em consideração durante o processo. Vamos lá!

O que é fusão de empresas?

De forma simplificada, pode-se dizer que, quando duas ou mais empresas se unem e formam uma nova organização jurídico-empresarial, houve uma fusão. Ou seja, as empresas juntam os patrimônios e deixam de existir individualmente, constituindo uma nova personalidade jurídica.

No entanto, é preciso deixar bem claro que fusão e incorporação são processos totalmente diferentes, apesar de muitos gestores acreditarem que se trata da mesma coisa.

Uma empresa A e uma empresa B que começam um processo de fusão têm como resultado uma empresa C, ou seja, uma nova organização. Nas fusões, o que normalmente acontece é a unificação das gestões das empresas fundidas, compartilhando cargos na administração até que de fato todas as operações possam ser reunidas em um só formato hierárquico.

Já na incorporação, o processo é totalmente diferente. A empresa A deixa de existir, mas a empresa B se mantém funcionando — só que atuando de forma expansiva, uma vez que ambas as empresas somaram o patrimônio, porém somente uma continuou atuando.

Quais as vantagens da fusão?

A fusão de empresas passa a ser um tipo de investimento em que uma nova pessoa jurídica constituída pode resultar na diversificação dos negócios, redução dos riscos de mercado por meio de decisões mais assertivas de investimentos e melhores acessos a financiamentos.

Como exemplo, imagine uma empresa que está passando por um período turbulento nas finanças, porém tem uma ótima infraestrutura, conta com um bom histórico de pagamentos ou mesmo mantém uma ótima relação com os colaboradores. Neste caso, pode ser interessante reunir forças com uma outra empresa que tem capital para investir, porém não conta com outros recursos, como estrutura, capital humano ou mesmo imagem de mercado.

A fusão de empresas é uma ótima oportunidade de crescimento e de vantagem competitiva, já que mantém as obrigações e responsabilidades de suas originárias, mas não segue, necessariamente, os mesmos processos de uma ou de outra.

Outra grande vantagem é a oportunidade de melhorar processos produtivos, buscar fornecedores diferenciados ou mesmo a redução (ou eliminação) de custos. Agindo assim, é possível abraçar uma fatia maior do mercado e praticamente eliminar a concorrência.

Quais fatores devem ser levados em consideração?

A melhor forma de evitar contratempos ou obstáculos numa fusão com algum concorrente ou parceiro de mercado é realizar um bom estudo inicial para ver se o processo é realmente vantajoso para todas as empresas envolvidas.

Embora muitas fusões de empresas sejam pautadas em objetivos financeiros ou estratégicos, o sucesso de todo o processo está diretamente relacionado com a capacidade das duas (ou mais) empresas integrarem suas forças de trabalho e dividirem aspectos de processos, capital humano, tarefas, adequações e demais fatores.

Vejamos quais aspectos devem ser avaliados para dar suporte nas negociações, reduzir os riscos e ter mais chances de êxito na operação:

1. Cultura da empresa

Um dos grandes entraves que muitos gestores encontram no processo de fusão é a transformação da cultura da organização. Ou seja, quando duas ou mais companhias decidem fundir para formar um novo negócio, é comum que cada uma já tenha sua própria visão de mercado e seus próprios objetivos e, consequentemente, as culturas sejam distintas entre si.

Por isso, quando há uma fusão de empresas, é necessário que não apenas aspectos financeiros sejam levados em consideração, mas sim pensar em uma nova visão para orientar e nortear todos os envolvidos dentro da organização.

O processo de adaptação dos envolvidos nos setores e processos produtivos pode ser um pouco demorado (como é de se esperar) mas é preciso que a transformação seja implantada aos poucos e que toda a equipe passe a colocar em prática a nova cultura.

2. Integrar processos e tecnologias

Cada empresa tem um perfil de funcionamento distinto. Assim, quando duas ou mais companhias se fundem, é normal que haja um “choque” com as novas estratégias e muitos obstáculos acabem surgindo.

O fato é que é preciso contorná-los. No processo de fusão, por exemplo, enquanto uma empresa busca investimento para automatizar as tarefas operacionais e alcançar o máximo de produtividade, a outra pode não ter adotado esse tipo de estratégia de desempenho.

No entanto, é preciso analisar como aproveitar as oportunidades de uma em detrimento da outra, já que, diferentemente da operação de aquisição em que uma empresa é extinta, na fusão todos os processos são integrados para o surgimento de uma nova organização.

Como são mudanças intensas e estruturais sobre todo o funcionamento da empresa, é preciso que cada desafio seja vencido rapidamente para que os processos passem a atuar de acordo com uma nova realidade e a empresa não perca espaço no mercado.

3. Treinamento e capacitação

Quando tecnologias passam a ser inseridas nos processos e atividades, é provável que haja certa resistência dos colaboradores, principalmente daqueles mais antigos. Contudo, é preciso deixar bem claro qual o objetivo da automatização e da importância em se adequar à nova realidade, de forma a gerar uma maior produtividade e melhores resultados.

Aqui vale a dica de inserir programas de aperfeiçoamento, treinamentos e capacitação a toda a equipe, possibilitando que as novas funcionalidades passem a fazer parte do dia a dia e que possam ser compreendidas como formas de alavancar o desempenho e a eficiência operacional.

4. Comunicação direta com a equipe

É preciso ter uma comunicação aberta e clara com todos os envolvidos e até mesmo com os fornecedores, já que todos serão impactados com a mudança.

Para isso, comece integrando as pessoas. Estimular o trabalho colaborativo e esclarecer todos os pontos referentes à nova cultura e as vantagens da transformação são algumas formas de obter uma maior aderência por parte de todos os envolvidos.

A integração de processos apenas será efetiva se houver uma inteira entrega de todos os envolvidos. Por isso, invista em alinhar e engajar as pessoas na nova cultura da empresa, o que facilita que os processos sejam otimizados.

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato com a INEPAD Consulting para avaliar a viabilidade de gestão da fusão. Esperamos por você!