Diante das possíveis interferências administrativas vivenciadas por herdeiros de uma empresa, uma alternativa viável e muito bem aceita no meio empresarial é a holding familiar.

Trata-se de uma gestão compartilhada que visa controlar o patrimônio por meio de uma sociedade que toma as decisões através de votações entre os membros, ou seja, as porcentagens dos lucros são divididas de acordo com a representação de cada integrante da família proprietária da corporação.

Com isso, a gestão fica bem mais profissional, evitando erros e ainda problemas ocasionados por desavenças pessoais ou disputas judiciais.

E você, conhece uma holding familiar? É o que abordaremos neste post! Venha com a gente e fique por dentro do assunto!

Entenda o que é uma holding familiar

A proteção patrimonial é a meta das empresas que criam uma holding familiar. Neste cenário, a continuidade do negócio fica assegurada por conta da sucessão hereditária.

Adotando regras previamente acertadas entre os membros da família, o processo contribui ainda para evitar percalços em razão de inventários, deixando os herdeiros na posição de sócios majoritários da empresa.

Ou seja, o patrimônio é dividido em quotas geralmente através de uma sociedade limitada, facilitando o processo de sucessão ao longo dos anos.

Veja os benefícios de uma holding familiar

Uma holding familiar conta ainda com vários benefícios, como o planejamento sucessório. Dessa maneira, a sucessão hereditária dos bens acaba sendo agilizada em caso de uma possível morte de um integrante da sociedade.

Com isso, o longo processo de inventário é evitado, destinando uma dinâmica mais profissional ao negócio. Assim, prováveis conflitos familiares deixam de interferir na linha produtiva da empresa, contribuindo com a competitividade e presença de mercado.

Podemos citar também o planejamento tributário, que está nitidamente ligado à redução dos impostos, já que as participações societárias serão integradas como capital social, ou seja, pessoas físicas podem transferir bens e direitos para jurídicas, diminuindo o valor do imposto de renda pago anualmente.

No entanto, é importante frisar que a holding familiar precisa contribuir com o Imposto sobre Transmissão, Causas Mortis e Doação (ITCMD) quando as doações das quotas forem superior a vinte e um salários-mínimos ou a transferência por herança maior do que trinta e dois salários-mínimos.

Conheça as vantagens para a organização   

A implantação de uma holding familiar auxilia no prolongamento das atividades comerciais de uma empresa.

Isso porque a corporação obtém uma gestão mais organizada, sem falar no planejamento das tomadas de decisões e maior competitividade frente a concorrência.

Investindo o próprio patrimônio em ações ou quotas entre a sociedade, a organização consegue obter um crescimento alicerçado em boas práticas, evitando perdas financeiras ou dívidas causadas por má gestão.

Mas, para que tudo saia de acordo com o planejado, é preciso elaborar um Estatuto Social aprovado pelos acionistas, indicando a condução administrativa do negócio.

Sendo bem estruturada e conduzida por profissionais capacitados, a holding familiar se perpetua por várias gerações, fortalecendo marcas e contribuindo com a credibilidade de produtos e serviços junto aos clientes e fornecedores.

Após conhecer no que consiste uma holding familiar, que tal baixar o nosso e-book sobre os cinco principais erros na sucessão empresarial? Conheça este rico e atrativo material!