Mesmo apresentando um contexto formidável para empresas em expansão, alcançar um patamar de excelência no mundo dos negócios sempre foi um grande desafio para gestores e empreendedores.

Por isso, buscar estratégias inteligentes é a melhor saída para garantir destaque e bons resultados para a empresa. É daí que surge um modelo mundialmente conhecido e que ganhou olhares nos últimos anos. Estamos falando do Joint Venture.

Para esclarecer melhor sobre o tema, preparamos um artigo com os aspectos-chave do modelo Joint Venture, bem como suas vantagens e desvantagens. Prepare-se para otimizar seus conhecimentos de gestão!

Como funciona o modelo de negócio Joint Venture?

A expressão Joint Venture é originária do inglês, com tradução literal “empreendimento conjunto”. O termo trata, na verdade, de um modelo estratégico, no qual duas empresas se unem para explorar as oportunidades de mercado.

Isso permite que as partes acabem colhendo frutos do acordo comercial, já que cada um pode oferecer a expertise que possui em seu ramo de atuação. Dessa forma, o produto final alcança qualidade superior — com um menor investimento individual das empresas envolvidas.

Imagine uma situação hipotética de duas empresas: uma trabalha no ramo de aparelhos eletrônicos, enquanto outra possui domínio do mercado de jogos digitais. Certamente a união dessas partes poderia resultar em um produto excelente e capaz de agregar valor aos investimentos.

Essa estrutura não é assim tão intangível. O exemplo anterior efetivamente aconteceu na década de 90, com a parceria entre Nintendo, gigante dos games e a Gradiente, produtora de eletroeletrônicos. O resultado foi o lançamento de diversos vídeo games famosos, como o Super NES, Nintendo64 e o Game Cube — famosos até os dias atuais.

Quais são as maiores vantagens dessa estrutura?

Fazer parte de uma Joint Venture tem suas vantagens e desvantagens. Quando as empresas são bem-sucedidas na estratégia, todas as participantes compartilham o lucro conforme acordado previamente em contrato.

Nessa mesma linha de raciocínio, o fracasso em uma Joint Venture resulta em todas as empresas participantes recebendo uma parcela das perdas durante o processo.

Por ter benefícios atrativos e únicos, torna-se uma opção muito atraente para alguns. Por isso, separamos algumas das principais vantagens da Joint Venture:

1. Divisão de responsabilidades

Um dos grandes fatores benéficos da Joint Venture é que esse método permite dividir o risco compartilhado entre as empresas participantes. É natural que a criação e o desenvolvimento de um novo produto ou serviço gere grandes riscos para as companhias. Por isso, a maior parte dos negócios não conseguem gerenciar esses riscos sozinhos.

Entretanto, com a Joint Venture cada empresa contribui com uma parcela dos recursos necessários para desenvolver o produto ou serviço e expor o mesmo no mercado, facilitando que as dificuldades financeiras, pesquisa de mercado e desenvolvimento do produto seja algo menos desafiador.

Com isso, o risco de um projeto falhar e ter impactos indesejados na saúde financeira da empresa é consideravelmente menor, porque os custos do projeto são distribuídos para cada um dos participantes.

2. Menor investimento inicial

O que chama mais atenção das empresas na hora de adorar essa operação é o baixo investimento e a redução de custos. Com esse modelo, é possível ter mais competitividade, além de aumentar o reconhecimento da marca para novos consumidores.

Como dissemos antes, os custos de produção do produto ou serviço são divididos entre todos os parceiros da operação. Dessa forma, o investimento inicial tende a ser bem inferior aos outros tipos de operação, tornando a Joint Venture uma opção para aqueles que buscam oportunidades com um baixo investimento inicial.

3. Capacidade operacional otimizada

Além de todos os benefícios acima citados, a Joint Venture permite o compartilhamento de tecnologias avançadas e maquinários de ponta. Com o compartilhamento de recursos, a linha de produção torna-se mais eficiente. Isso garante que o produto final seja de alta qualidade e supra as expectativas e necessidades do mercado.

Existem desvantagens?

Mesmo com as inúmeras possibilidades que a estratégia Joint Venture oferece para gestores preparados, é importante ter atenção para os pontos negativos que eventualmente surgem nesse acordo comercial.

Com o intuito de elucidar essa questão, listamos as principais desvantagens em adotar essa prática. Ressaltamos que todo acordo comercial deve ser avaliado e formalizado, mitigando ao máximo qualquer tipo de desavença entre as partes. Veja:

1. Maiores riscos

Uma vez que existem duas empresas em união para um projeto, é possível que surjam falhas por conta de questões operacionais ou, até mesmo, de má gestão dos recursos envolvidos. Esse fator cria um sério risco no investimento.

Dessa forma, é imprescindível que todas as etapas sejam acompanhadas e os resultados coletados. Para evitar desvios nessa prática, uma boa dica é buscar o suporte de uma consultoria profissional para desenvolver metodologias durante o relacionamento da Joint Venture.

2. Autonomia reduzida

Não que essa seja realmente uma desvantagem preocupante, mas a autonomia do investimento passa a ser de decisão conjunta. Em alguns aspectos, isso pode ser um limitador para os gestores. Entretanto, quando existe bom relacionamento com o parceiro, as decisões podem ser tomadas de forma prática e sem burocracia.

O ideal é que todos os acordos e reuniões de projeto sejam efetivamente formalizados em uma ata ou documentação assinada. Assim, as partes podem respeitar a autonomia da relação e focar aquilo que importa:

3. Parceiros não confiáveis

Talvez um dos principais problemas ao adotar o modelo Joint Venture seja fechar negócio com um parceiro que não é de confiança. Sem dúvidas, esse contrato geraria um prejuízo imensurável para todos.

Portanto, é necessário buscar indicações, avaliar o patrimônio envolvido e encontrar a solução que melhor se adequa ao perfil da empresa e dos consumidores. Adotando práticas seguras, essas desvantagens podem ser rapidamente eliminadas do investimento.

De toda forma, investir em uma parceria conjunta é um grande desafio, mas que oferece diversos benefícios para aqueles que estão bem preparados para a competitividade do mercado. 

E então, leitor? Percebeu com o modelo Joint Venture pode ser uma estratégia interessante para alcançar excelência e ampliar os resultados da sua empresa? Para continuar aprimorando resultados, aproveite para assinar nossa newsletter e receber mais artigos como este direto no seu e-mail!