Maioria no Brasil, as empresas familiares geralmente seguem por dois caminhos distintos: ou sobrevivem enquanto seus fundadores seguem atuantes, ou encerram as atividades assim que eles se aposentam. Obviamente que o objetivo principal de todas deve ser o de seguir pela primeira rota, mas, para isso, é preciso elaborar um bom plano de sucessão

Uma das principais e mais valorizadas características de uma empresa familiar é a sua forte cultura organizacional, baseada nos valores dos fundadores. E, ao mesmo tempo em que essa é uma característica que define o DNA empresarial, também pode ser uma armadilha no momento da sucessão

Sem uma preparação adequada, os membros da família que assumem o negócio não conseguem sustentar a marca deixada por seus antecessores e, em pouco tempo, a organização perde identidade. Isso atrapalha o clima e a produtividade da equipe e faz com que a empresa perca uma grande parte de sua capacidade de competir no mercado. 

Daí para o desaparecimento é um pulo. Por isso mesmo, o plano de sucessão é tão fundamental e deve ser construído desde o nascimento da organização. 

O que é um plano de sucessão?

O plano de sucessão nada mais é do que a preparação da empresa para a inevitável aposentadoria de seus fundadores. Afinal de contas, ninguém é eterno, mas a empresa precisa continuar seus negócios de forma saudável e produtiva. 

E é por isso que um plano de sucessão eficaz deve começar a ser elaborado logo nos primeiros dias de funcionamento da organização, com tempo suficiente para identificar talentos e necessidades que possam surgir no momento de realizar a transição. 

Como ele deve ser preparado?

A preparação para a sucessão deve levar em conta o perfil profissional dos membros da família. Aqueles com mais aptidão para os negócios e com melhor preparação profissional e mercadológica serão, naturalmente, favorecidos no momento de assumir os novos postos de trabalho. 

E essa preparação deve ser acompanhada de perto pelos fundadores. Os herdeiros devem iniciar os primeiros estágios do plano passando pelas diversas áreas da organização para que possam aprender cada detalhe do negócio. Posteriormente, um estágio em empresas concorrentes não deve ser descartado, já que isso será importante para a amplitude do conhecimento mercadológico. 

Por fim, a própria preparação profissional, por meio de cursos, palestras, seminários e até mesmo estágios fora do país. 

De que forma o plano pode refletir no restante da equipe?

Por mais bem estruturada que seja, a sucessão pode esbarrar na rejeição da equipe devido à mudança no perfil de comando. Mas embora seja inevitável que haja alguma alteração, os efeitos podem ser minimizados pela forma como o próprio plano é conduzido. 

É preciso que todos os colaboradores tenham ciência do planejamento e saibam quem são os candidatos a sucessão. Também é fundamental que esteja bem claro para todos, o porquê da escolha. 

Se a condução do plano for bem comunicada ao longo do tempo, naturalmente a transição será menos traumática e a equipe receberá muito melhor os novos dirigentes. 

Entendeu como o plano de sucessão é fundamental para empresas familiares? Caso tenha gostado deste artigo, assine a nossa newsletter e receba conteúdo exclusivo no seu e-mail!